Papa Francisco – Um ano de graça

papa-francisco2[Completou-se no] dia 13 deste mês de Março, o primeiro aniversário da eleição do Papa Francisco. É natural, por isso, que nestes dias se faça o balanço de um ano de pontificado.

Não prevejo críticas acesas, dentro ou fora dos muros da Igreja. Pelo contrário, entendo que o estado de graça de Francisco vai sentir-se nos comentários; mesmo que um ou outro possa esboçar, timidamente, algum desencanto por uma qualquer reforma ainda não operada ou pelo ritmo da renovação.

Não falta, de facto, quem deseje ver na Igreja a dinâmica de uma multinacional, cuja Administração reforma sistemas e infra-estruturas, respondendo à concorrência e às ondas do mercado. Para estes, o Papa é um CEO vestido de branco, mais que um pastor cuja tarefa é confirmar na fé os seus irmãos e ajudá-los a abrir inteligência e coração ao fogo do Espírito.

Visto nesta última perspectiva, penso que este primeiro ano do pontificado de Francisco foi um ano de graça: os seus gestos e palavras têm-nos reconduzido ao essencial: o amor de Deus e a sua misericórdia para com todos. Por isso, a tarefa da Igreja é viver a alegria deste amor e propô-lo a quantos o desconheçam com uma urgência apaixonada e incarnando nas situações deste tempo; tocando e deixando­‑se tocar; desprendendo-se de peias administrativas que atrasam a pastoral.

Não podemos admitir que nos roubem a força missionária – alerta o Papa na Exortação “A alegria do Evangelho”, que constitui o seu verdadeiro programa. E aí nos diz como salvaguardar essa força: vivendo uma espiritualidade missionária e não fazendo dos deveres um apêndice; centrando-nos em Deus e não no relativismo das seguranças humanas; rejeitando o egoísmo que afasta a entrega; actuando pelas razões certas e não vivam obcecados pelo resultado imediato. (…)

Neste ano, o Papa Francisco não se limitou, porém, a dizer. Ocupou-se, sobretudo, em mostrar como se chega ao coração dos homens e das mulheres deste tempo: fazendo-se próximo e – pelo menos para a sensibilidade de alguns – não temendo o “escândalo da normalidade”. (…)

Falando simples e claramente, o Papa tem mostrado a força suave de um apaixonado por Deus e pelas pessoas. E a verdade é que, olhando­‑o, o mundo está a perceber mesmo o que Francisco não diz!

João Aguiar Campos, editorial da Agência Ecclesia

+ ver todos os artigos +

horarios

Horários

    Missas

    • Sábado
    • 17h (vespertina)
      19h
      Capela de St.º António
      Igreja Matriz
    • Domingo
    • 9h30
      11h30
      19h
      Igreja Matriz
      Igreja Matriz
      Igreja Matriz
    • Semana
    • 2.ª a 6.ª feira
      3.ª e 5.ª feira
      19h
      9h30

    Acolhimento

    • Para diálogo, Sacramento da Reconciliação ou aconselhamento espiritual.
    • 3.ª feira
      4.ª feira
      5.ª feira
      6.ª feira
      17h-18h30
      17h-18h30
      10h-11h30
      17h-18h30
    • Outros momentos, fora destes períodos, poderão ser combinados.

    Abertura/Fecho da igreja

    • De segunda a sexta:
    • 9h-12h 17h-19h30
    • Sábado:
    • 9h-12h 17h-20h
    • Domingo:
    • 9h-12h30 17h-20h
avisos

Informações